Blog da Brasil Brokers - Tudo sobre imóveis, arquitetura e decoração

Postado por <brasilbrokers>
14 nov

Morar sozinho é uma etapa importante da vida, uma conquista desejada por muitas pessoas. No entanto, esse também é um desafio que exige um planejamento prévio, principalmente em relação ao orçamento, para evitar que as contas saiam do controle.

Com um pouco de organização, será possível ter uma boa experiência na nova jornada. Para auxiliar nessa etapa, a Brasil Brokers destaca seis dicas úteis para organizar os custos de morar sozinho. Confira!

Pessoa faz cálculos em uma calculadora que está sob uma mesa cheia de papeis e planilhas

1. Faça cálculos do quanto ganha e do quanto pode gastar

O primeiro passo para organizar o orçamento é fazer uma análise financeira pessoal. Ou seja, calcular quanto será possível gastar em despesas sem que elas exijam todo o seu pagamento. Separe contas fixas do imóvel, gastos individuais e outros custos. A partir dessa noção, será possível delimitar valores que caibam no seu bolso.  

2. Monte uma planilha com os gastos do mês

Montar uma planilha pode ser uma forma bem eficiente de conseguir se planejar. Coloque no papel todas as despesas que você tem no mês, sejam elas fixas ou não, e uma média de valor. Não esqueça de anotar sempre que houver gastos extras.

A dica é: se você gastar mais do que deveria em algum item, economize em outro. Essa é uma forma visual de saber para onde foi direcionado o dinheiro e avaliar em quais contas você precisa economizar.

Moça loira observa uma planilha exposta em um notebook sob uma mesa, há também sob a mesa uma xícara de café e uma prancheta com uma lista

3. Crie o hábito de guardar dinheiro

Guardar dinheiro é indispensável para se ter segurança em relação ao futuro, afinal, imprevistos não avisam quando vão acontecer, e estar preparado para emergências é essencial. Para isso, avalie quanto do seu salário sobra após pagar todas as despesas e, desse valor, economize uma parcela. Você vai perceber que, uma vez criado esse hábito, guardar dinheiro vai se tornar algo natural.

4. Reserve uma parcela do dinheiro para lazer

A vida não é feita só de boletos para pagar é importante separar dinheiro para custos com lazer e diversão. Tenha uma ideia de quanto você pode gastar em restaurantes, salão de beleza, cinema, academia e viagens durante o mês e separe uma quantia. Certifique-se de que esses gastos não irão afetar as despesas fixas, tais como: aluguel, saúde, educação e contas de água, luz e telefone.

Pessoa empilha três pilhas de moedas diferentes sob uma mesa com uma mão, e a outra mão está segurando uma caneta, apoiada sob uma calculadora e um caderno.

5. Abra mão de alguns gastos

Mesmo destinando uma quantia de dinheiro para gastos com lazer, para que o seu orçamento do mês renda mais, é importante abrir mão de alguns custos. Isso significa que é interessante refletir sobre algumas compras que são realizadas por impulso.

Antes de gastar, avalie se aquilo é realmente necessário ou se você pode adquirir algo semelhante por um preço mais baixo. Pequenos gastos que parecem irrelevantes, quando somados no final do mês, custam caro.  

6. Evite créditos e parcelamentos

Créditos e parcelamentos são mecanismos atrativos, que prometem auxiliar na hora de fechar as contas do mês. No entanto, essas são formas fáceis de se enrolar em dívidas, pois os juros costumam ser altos. Por isso, sempre faça compras quando o valor não for afetar o resto do seu planejamento, dando preferência a pagamentos à vista.  Agora que você já conferiu dicas para planejar o orçamento, confira também como se organizar para morar sozinho e não deixe de aproveitar as oportunidades oferecidas pela Brasil Brokers para o seu primeiro imóvel!

Postado por <brasilbrokers>
14 nov

As garantias locatícias são uma medida de segurança para pessoas que desejam colocar o imóvel para alugar e não querem lidar com a possibilidade de o inquilino não cumprir com suas responsabilidades de pagamento, afinal, não é possível ter certeza de que o valor do aluguel será pago de forma correta.

Duas pessoas sentadas ao redor de uma mesa, uma segura uma caneta e a outra um papel. Há uma casinha e uma chave sob a mesa

O que são garantias locatícias?

As garantias locatícias são um direito dos locadores de imóveis e devem ser aplicadas nos contratos de aluguel. A principal função dessas garantias é assegurar o cumprimento dos compromissos envolvidos em uma locação.  

Como fazer as garantias locatícias?

As garantias locatícias funcionam de acordo com a Lei do Inquilinato, que atesta que é o proprietário o responsável por escolher a sua modalidade, estendida até a devolução do imóvel, mesmo que a locação seja prolongada por prazo indeterminado.

É importante destacar que não é permitido incluir mais do que uma garantia no contrato e que a substituição só pode ocorrer em casos especificados pela Lei, como exoneração ou falência do fiador.

Uma pessoa assina um contrato sob um mesa e outra pessoa aponta uma chave pra ela

Tipos de garantias locatícias

Existem diversos modelos de garantias locatícias com diferentes benefícios, para que o locador e o locatário possam definir aquela que melhor se aplica à ocasião contratual. Confira:

Caução

A caução o inquilino paga ao dono do imóvel um valor equivalente a, no máximo, três meses de aluguel. Essa quantia deve ser paga no momento de assinatura do contrato e, em seguida, depositado em uma conta poupança.

Após o fim do contrato, caso tenha pago todos os aluguéis, o inquilino recebe esse valor de volta, juntamente com os juros da poupança, tendo como exceção a necessidade de reparar danos causados pelo locatário no imóvel.

Além disso, em alguns casos, também há a opção de o inquilino ficar sem pagar o total de meses correspondentes ao valor adiantado.

Três pessoas ao redor de uma mesa. Uma aponta pra um contrato e a outra assina.

Fiança

O modelo de fiança requer o envolvimento de uma terceira pessoa, o fiador. É ele que assumirá o pagamento das dívidas de aluguel caso o inquilino não pague. Para isso, há uma análise criteriosa das condições financeiras do fiador e são feitas algumas exigências, como a posse de um imóvel, a fim de assegurar que os débitos serão pagos.

Como essa é uma relação que exige muita confiança, o fiador costuma ser parente ou amigo próximo do locatário. Essa é uma opção benéfica para o inquilino, pois não há custos, no entanto, encontrar um fiador pode ser uma tarefa desconfortável.

Um casal está sentando em um sofá conversando uma mulher ao fundo da imagem, em primeiro plano há um contrato, uma planta baixa e um molho de chaves

Seguro fiança

No caso do seguro fiança, o inquilino paga um valor mensal ou anual para uma seguradora, que cobre os aluguéis no caso de inadimplência. No entanto, o locatário passa por uma análise cadastral, em que a operadora de seguros avalia se o solicitante possui renda que comporta o pagamento do aluguel e mais os novos encargos.

Essa é uma modalidade vantajosa para o proprietário, que não fica sem receber o valor dos aluguéis. Contudo, vale destacar que o inquilino não é ressarcido das taxas pagas à seguradora e precisa, ainda, reembolsá-la do total pago ao dono do imóvel.   

Um homem aponta para um contrato enquanto um casal observa e o homem assina o contrato

Cessão fiduciária de quotas de fundo de investimento

Nessa modalidade, instituições financeiras administram carteiras de títulos a fim de constituírem fundos de investimentos que possibilitem a cessão fiduciária de suas cotas como garantia da locação de imóvel.

Assim, junto com o contrato de locação, é assinado um “Termo de Cessão Fiduciária”, em que o proprietário fica com a propriedade resolúvel das cotas. Caso o inquilino deixe de pagar o aluguel, o locador pode solicitar a transferência das cotas que sejam suficientes para a quitar a dívida.

Agora que você já sabe como funcionam as garantias locatícias, que tal conferir passo a passo como alugar um imóvel? A Brasil Brokers te ajuda a encontrar o lugar ideal!  

 

Postado por <brasilbrokers>
14 nov

Uma das maiores preocupações de proprietários de imóveis, que desejam realizar a locação imobiliária, é a possibilidade de o inquilino não pagar os aluguéis. Tendo isso em vista, a fiança de aluguel é uma garantia de que, mesmo se houver inadimplência, o locador não ficará sem receber o pagamento.  

Uma mão aposta pra um contrato e a outra mão assina. Há uma chave e uma cainha de madeira sob o contrato

O que é fiança de aluguel?

A fiança de aluguel é uma das modalidades de garantia locatícia, que envolve a participação de uma terceira pessoa no processo de locação. Esta assume a responsabilidade de pagar os débitos do inquilino em caso de inadimplência, sendo uma forma de assegurar ao proprietário que o valor do aluguel será pago.

Fiança de aluguel: como funciona?

A fiança de aluguel é atestada pela Lei do Inquilinato e, uma vez determinada, deve permanecer em vigência até o fim do contrato. Existem duas formas de executar a fiança de aluguel através do fiador ou do seguro fiança. Confira:

Duas pessoas estão em uma mesa, uma assina um contrato e a outro estende a mão com uma chave

Como funciona fiador?

O fiador é uma pessoa que, prestando favor ao inquilino, aceita responder por suas possíveis dívidas de aluguel. Ou seja, se o locatário não pagar, é o fiador que irá pagar.

Para tornar-se fiador, é necessário passar por uma análise cadastral feita pela imobiliária. Esse processo consiste em avaliar se essa pessoa possui algum tipo de restrição e se apresenta condições de arcar com a despesa.

Pode-se exigir que o candidato a fiador tenha um imóvel, sem qualquer tipo de restrição e registrado em seu nome, utilizado como garantia do pagamento.

Duas pessoas em uma mesa, uma está assinando um contrato

Quem pode ser fiador?

Qualquer pessoa que seja aprovada na análise cadastral pode ser fiador. Como essa é uma responsabilidade que exige confiança entre ambas as partes, o fiador costuma ser algum familiar ou amigo próximo do inquilino. No entanto, por não ser tão simples encontrar alguém que aceite a função, atualmente existem fiadores profissionais, que cobram para assumirem o papel.  

Duas pessoas apertam as mãos

Como funciona seguro fiança?

No caso do seguro fiança, a terceira pessoa envolvida no processo é, na realidade, uma seguradora. O inquilino busca por uma operadora de seguros, que cobra um valor mensal ou anual para, em caso de inadimplência, assumir as dívidas.  

Nessa opção, o final do contrato, o locatário não é ressarcido das taxas pagas. Além disso, se a seguradora precisar pagar os aluguéis vencidos, o inquilino deverá, ainda, devolver a quantia gasta, podendo ser cobrado judicialmente.  

Moça sentada ao redor de uma mesa, sorri e aperta a mão de um homem que também está sentando e sorri

Quem pode aderir ao seguro fiança?

Assim como no caso do fiador, no seguro fiança também é feita uma análise antes de aderir ao seguro. A diferença é que esse processo é realizado pela seguradora e o avaliador é o inquilino. Para ser aprovado, o locatário não deve ter nenhuma restrição cadastral e precisa comprovar renda, a fim de assegurar que possui condições de arcar com o aluguel e os encargos extras.   

Agora que você já se informou sobre a fiança de aluguel, confira também o passo a passo de como alugar um imóvel. A Brasil Brokers te ajuda com todas as questões imobiliárias!

Postado por <brasilbrokers>
14 nov

Um homem de social entrega uma chave na mão de outra pessoa

A venda de um imóvel residencial envolve diversos passos e cuidados fundamentais para poder acontecer. Por isso, independentemente da plataforma que você escolher para realizar essa tarefa, é fundamental estar informado sobre as etapas que permeiam o processo. Assim, a venda poderá ser realizada com mais rapidez e menos frustrações.

Para guiar você, fizemos uma lista com cinco passos básicos para saber como vender um imóvel e lhe ajudar a ter uma experiência organizada. Confira:

1.Busque uma imobiliária para lhe auxiliar no processo

Apesar desse passo não ser obrigatório, ele é uma ação que deve ser considerada, especialmente se for a sua primeira venda. Isso porque, ao utilizar o auxílio de uma imobiliária no processo de venda, você conta com profissionais que lidam com vendas diariamente e que estão preparados para realizar o processo. No entanto, é importante escolher uma imobiliária de confiança, com boa reputação no mercado.  

2.Descubra quais são os documentos necessários e separe-os

Muitos documentos são necessários na venda de um imóvel. Dentre eles estão documentos do dono do imóvel e seu cônjuge (caso esteja casado ou em uma união estável) e do imóvel que será comercializado. Portanto, é importante descobrir quais são esses documentos e separá-los com antecedência. Nesse momento, é interessante buscar o auxílio de uma imobiliária para saber exatamente quais são.  

3.Pense em um valor de venda coerente

Há diversos fatores que influenciam o valor de um imóvel, como o valor do metro quadrado local e estado de conservação. Por isso, é necessário estar atento a essas informações no momento de fixar o preço, para exigir um valor de venda condizente com a realidade. Caso não tenha certeza sobre como realizar a avaliação, você também pode contar com a imobiliária escolhida para lhe auxiliar nesse processo.

4.Tire boas fotos do imóvel para anunciá-lo online

Como a maior parte das vendas é realizada graças a plataformas online que permitem o anúncio de imóveis, é fundamental tirar boas fotos para compor o anúncio. Essas fotos devem mostrar os ambientes e a área externa com o máximo de detalhes possível. Quanto menos as fotos mostrarem, menos pessoas serão atraídas pelo seu anúncio.

5. Mantenha a limpeza do imóvel em ordem

No processo de venda, pessoas interessadas deverão vistar o imóvel para conhecer cada detalhe de perto e descobrir se realmente corresponde às expectativas. No entanto, se o imóvel não estiver minimamente limpo, é possível que o comprador em potencial perca o interesse, pois o visual estará menos atraente. Por isso, é importante manter o imóvel preparado para o recebimento de pessoas interessadas.

Agora que você sabe como vender um imóvel, você poderá realizar esse processo com mais agilidade e organização. Por isso, integre esse passo a passo à sua lista de planejamentos e faça essa venda acontecer.

Postado por <brasilbrokers>
13 nov

Investimento a longo prazo, apartamento na planta apresenta diversas particularidades que o diferenciam dos imóveis já prontos

Comprar apartamento na planta pode ser uma boa oportunidade de investir e economizar no valor do imóvel próprio. Pensando nisso, separamos algumas informações sobre o que saber antes de comprar um apartamento na planta, para você ficar por dentro da negociação.  

Três pessoas em uma mesa, uma delas aponta para a uma planta baixa com o dedo, a outra com uma caneta e a outra observa

Como funciona apartamento na planta?

O apartamento na planta é aquele que ainda está em fase de planejamento, ou seja, comprar esse tipo de imóvel significa investir em algo que ainda não existe. Esse é um risco enfrentado pelo comprador, que também tem que encarar um longo tempo de espera para poder morar no apartamento. No entanto, esses fatores fazem com que o preço seja mais baixo e, somados aos benefícios oferecidos, os ganhos ao final do processo podem ser significativos.

Como é o financiamento do apartamento na planta?

O processo de pagamento do imóvel na planta é dividido em duas etapas. Confira:

Antes da entrega das chaves

No momento de assinatura do contrato, o comprador deve dar uma quantia de entrada e, durante o processo de construção do apartamento, deve pagar as parcelas iniciais do imóvel, de modo que o valor do sinal pode ser diluído nas prestações.

Um dos diferenciais do apartamento na planta é que, antes da entrega das chaves, a construtora não cobra taxas de juros, e sobre essas primeiras parcelas só incide a correção monetária definida em contrato.  

Após a entrega das chaves

O momento da entrega das chaves é quando ocorre, de fato, o financiamento. Da quantia necessária para quitar o apartamento, é abatido o dinheiro já pago na entrada e nas parcelas iniciais, de modo que o valor financiado e as prestações a serem pagas são mais baratos do que se o imóvel fosse comprado pronto.  

É importante entender que o valor da entrada do apartamento na planta costuma ser alto. No entanto, como pode ser pago em parcelas antes da entrega das chaves, essa acaba sendo uma vantagem para a hora do financiamento.

Um homem sorri enquanto carrega uma mulher pendurada nas costas dele, que também sorri e segura uma chave

Quais são as vantagens de comprar apartamento na planta?

A compra de um apartamento na planta pode oferecer diversas vantagens. Dentre elas, a valorização do imóvel é destaque. Isso porque, durante o período de construção, além do desenvolvimento da região, a inflação faz com que o preço do imóvel aumente, tornando a revenda uma possibilidade atrativa.

O imóvel na planta também permite que o comprador possa realizar pequenas mudanças no projeto inicial da construtora para o apartamento, evitando ter que fazer isso por conta própria posteriormente.

Além disso, é uma ótima opção para pessoas que desejam mais tempo para planejar a decoração do apartamento, sem precisar comprar todos os móveis de uma vez.  

Como escolher apartamento na planta?

Durante a escolha do apartamento na planta, atente-se à localização e infraestrutura do bairro, verifique se é um lugar de fácil acesso, próximo de supermercados, centros comerciais e do transporte público — esses são fatores que otimizam a qualidade do imóvel.

Além disso, é importante visitar o local diversas vezes e em diferentes dias da semana, para saber mais sobre o movimento da região em que se pretende morar. Também é interessante buscar por imóveis que oferecem vantagens reais no preço em relação a um apartamento semelhante que já está pronto.

Dicas e cuidados ao comprar um apartamento na planta

  • Tenha certeza de que o valor do apartamento caberá em seu orçamento;
  • Tire todas as suas dúvidas a respeito do que está sendo prometido;
  • Registre a negociação e guarde todos os documentos relacionados ao imóvel na planta;
  • Fale com pessoas que já compraram apartamentos da mesma construtora;
  • Leia atentamente o contrato para conhecer seus direitos;
  • Ao receber as chaves, averigue se tudo foi entregue como o esperado;

Agora que você já sabe mais sobre como comprar apartamento na planta, que tal conferir nossas dicas para comprar o primeiro imóvel? A Brasil Brokers ajuda você a encontrar o imóvel ideal!