Blog da Brasil Brokers - Tudo sobre imóveis, arquitetura e decoração

Postado por <brasilbrokers>
26 abr

Em estudo realizado pela Inteligência de Mercado do Grupo Brasil Brokers é possível compreender o cenário do mercado de imóveis em São Paulo.

Compreender o segmento de atuação e o perfil do cliente se faz necessário para a sobrevivência e eficiência das companhias no mundo atual.

Levando isso em consideração, a Brasil Brokers lança o “Market Report SP 2017”. Um estudo de São Paulo onde são apontadas análises macroeconômicas, dados históricos do mercado imobiliário, informações das transações realizadas (preço escriturado e desconto) e insigths que ajudarão os incorporadores a traçarem suas estratégias na tomada de decisão.

Este ano, o estudo conta com uma pesquisa inédita com clientes compradores.
Desde dezembro do ano passado, a Brasil Brokers realiza um ativo com os compradores buscando identificar satisfação e perfil. Esta ação possibilita potencializar a assertividade das nossas ações e investimentos.

Confira abaixo o resumo do estudo realizado:

Perfil dos clientes compradores de SP

Os clientes que adquiriram imóveis com a Brasil Brokers entre dezembro de 2017 e março de 2018 são majoritariamente jovens, tendo em torno de 26 a 45 anos. 63% são solteiros e a maioria não possui filhos.

Por onde o comprador busca informações de imóveis

Não é mais novidade que as mídias sociais vêm ganhando cada vez mais força. Dos compradores que participaram da pesquisa, 56% acessam o Facebook com frequência e apenas 1% veem o Twitter. A segunda plataforma mais acessada é o Instagram, com apenas 18%.

Quando perguntado como ficou sabendo do empreendimento, a maioria ou 23% soube através do contato do corretor, reforçando a importância do trabalho deste profissional na obtenção de resultados satisfatórios.

Destaque também para as placas, indicação e internet, componentes importantes que impactam o cliente.

Quanto à finalidade de compra, o resultado nos surpreendeu: depois de um tempo ausente, os investidores se fazem presentes, representando 23% do total de compradores.

Em relação ao tempo de procura, descobrimos que 43% dos clientes estavam buscando imóvel há mais de 6 meses, reforçando a necessidade da manutenção da carteira de clientes.

Sobre o Mercado Imobiliário de SP

Lançamentos na Capital (Residenciais Verticais):

Em 2017 ocorreu alta de 25% no VGV Lançado quando comparado ao ano anterior, resultando em R$ 15 Bilhões.

Após 2 anos consecutivos de quedas (2015 e 2016), este resultado é positivo para o nosso mercado e indica a retomada da confiança dos incorporadores após um cenário de incertezas.

Vendas na Capital (Residenciais Verticais):

Assim como em VGV Lançado, ocorreu crescimento de 15% também em relação ao VGV Vendido*, com aproximadamente R$ 15 bilhões em vendas.

* Referente aos lançamentos de 2008 a 2017.

Analisando as VSO´s (Venda Sobre Oferta), verificamos que os segmentos que possuem o ticket médio mais acessível, obtiveram uma performance mais expressiva do que aqueles com o ticket médio mais alto.

* Fonte de dados: Geoimovel. Análise: Inteligência de Mercado do Grupo Brasil Brokers.

Para apoiar os incorporadores nos estudos de viabilidade e estratégias, a Brasil Brokers criou uma curva de performance considerando as vendas das unidades lançadas no mercado em 2017.
A média encontrada foi 25% de absorção no lançamento e em torno de 58% considerando 12 meses de comercialização.

Estoque na Capital (Residenciais Verticais):

Em 2017, a capital de São Paulo fechou o ano com R$ 26 bilhões em estoque, R$ 1 Bilhão a menos que no ano anterior, indicando cenário saudável, visto que no citado ano ocorreu aumento em lançamentos e vendas.

Imóveis Secundário/ Prontos:

No mercado de imóveis secundários/ prontos, dentre as praças analisadas, SP Capital, RMSP e Campinas representaram juntas 53% do total vendido em 2017 e cresceram 5% em relação ao ano anterior.

* Regiões analisadas: São Paulo (capital), RMSP, Campinas, Rio de Janeiro (capital), Niterói, Grande Rio, Belo Horizonte, Porto Alegre, Goiânia, Brasília e Salvador.

Sobre a Área de Inteligência de Mercado

A área de Inteligência de Mercado da Brasil Brokers é uma das maiores do mercado imobiliário.

O principal diferencial dos estudos elaborados por esta área é a aplicação das informações de transações efetivadas, diferentemente do que é oferecido no mercado, onde as análises advêm de ofertas.

A Brasil Brokers investe em soluções tecnológicas voltadas para a Inteligência de Mercado. Isso fará com que a informação chegue com ainda mais qualidade e assertividade aos nossos clientes.

São mais de 10 anos de experiência em vendas de imóveis realizadas nas principais capitais brasileiras!

Quer saber maiores detalhes sobre a VSO, curva de vendas, perfil de clientes do mercado de SP? Entre em contato com a área de Inteligência de Mercado da Brasil Brokers: im@brbrokers.com.br.

Postado por <brasilbrokers>
24 abr

Com as medidas certas é possível deixar até os menores cômodos bem organizados e agradáveis. Confira como organizar quarto pequeno!

Morar em uma casa ou apartamento de tamanho menor vem se tornando algo mais comum. Isso porque as pessoas acabam optando por uma maior praticidade e também pelo menor custo. Se o imóvel é pequeno, consequentemente os cômodos também são. No caso do dormitório, saiba que é muito possível manter a organização e aproveitar ao máximo o espaço, basta fazer as escolhas certas.

Confira as dicas que o blog da Brasil Brokers separou sobre como organizar um quarto pequeno e não deixe faltar espaço jamais.

Confira 11 dicas para organizar o quarto!

 

Como organizar o quarto pequeno sem guarda-roupa

 

1 – Aposte nas gavetas debaixo da cama

Essa é uma maneira simples de aproveitar muito bem o pouco espaço do seu quarto. As gavetas embutidas na parte de baixo da cama fazem com que você se livre dos armários grandes e consiga administrar ainda melhor o seu cantinho de repouso.

2 – Use araras de roupas que combinem com o ambiente

Utilize uma arara de roupas para guardar aquelas peças que você mais utiliza. Isso permite que o restante seja guardado em gavetas ou pequenos armários projetados nas paredes do quarto. O guarda-roupa costuma ocupar muito espaço, já a arara se acomoda em qualquer canto.

3 – Utilize armários pequenos e práticos

No quarto das crianças, por exemplo, utilize armários pequenos e de forma vertical. Dessa forma, ela não ocupará tanto espaço e servirá perfeitamente para organizar as peças de roupas.

Como selecionar os móveis

 

4 – Projete os móveis sob medida

Na hora de adquirir os móveis, não esqueça das dimensões do quarto. Procure colocar o tamanho pequeno do ambiente ao seu lado. A falta de espaço lhe permite pensar em móveis estratégicos e práticos. Escolha peças que satisfaçam suas necessidades, mas que não dificultem a circulação no cômodo.

5 – Prateleiras ajudam a liberar espaço

As prateleiras planejadas ajudam e muito a liberar espaço no ambiente. Use a sua criatividade e aproveite uma ou mais paredes para transformar em prateleiras modernas e úteis. Nelas você pode guardar livros, objetos de grande apreço ou até mesmo aproveitar para organizar os sapatos. Aqui o que vale é uma boa sacada para aproveitar qualquer cantinho.

6 – Só coloque no quarto o indispensável

Em um quarto com pouco espaço, o menos é mais. Quanto menos móveis melhor é. Dessa maneira, você pode circular mais facilmente e ainda sentir que o cômodo é maior do que parece. Faça uma lista de quais móveis são dispensáveis e monte o ambiente da melhor maneira possível.

Como organizar um quarto pequeno com duas camas

 

7 – O beliche nunca falha

Para quem quer saber como organizar um quarto pequeno com duas camas, o famoso beliche é uma ideia infalível para aproveitar melhor o pouco espaço que se tem no quarto. Com ele, é possível que as duas pessoas consigam se acomodar da melhor forma e ainda liberam um bom lugar para circularem no ambiente ou acrescentar outro móvel necessário.

Como organizar um quarto pequeno com duas camas de solteiro

8 – Posicione uma ao lado da outra

Siga o exemplo de um quarto de hotel. Posicionando as camas quase juntas, e sem encostar as laterais na parede – como na imagem -, você ganha espaço ao redor delas. Ainda é possível colocar um criado-mudo entre elas, já que esse vão não terá grandes utilidades. O importante é focar na circulação dentro do cômodo.

9 – Ganhe espaço no centro do quarto

Nesse caso, é possível priorizar o centro do quarto. Encostar ambas as camas em paredes diferentes permite uma circulação em linha reta dentro do cômodo de uma melhor forma.

Dicas para arrumar o quarto pequeno e deixar uma sensação de amplitude

 

10 – Pinte o cômodo com cores claras

Escolha cores claras, de preferência branca, para pintar as paredes do seu quarto. Dessa forma, o local passará a sensação de ser maior do que realmente é. Com essa dica e os móveis corretos, o seu pequeno ambiente irá parecer bem grande.

11 – Espelhos ajudam

Os espelhos dão uma sensação de profundidade. Além de caírem muito bem nas decorações, eles ajudam a valorizar o quarto menor.

Seguindo essas dicas, você já pode responder como organizar um quarto pequeno. Vale usar a imaginação e, principalmente, a criatividade para inovar sempre. A falta de espaço não existe para quem conhece um pouco sobre como manter uma boa organização. Quer saber mais? Veja como utilizar a iluminação natural na decoração.

Postado por <brasilbrokers>
11 abr

A compra de imóvel é um momento muito importante na vida das pessoas e requer um certo cuidado. É preciso se atentar a algumas coisas para garantir um bom negócio e não sofrer com possíveis arrependimentos futuros. Por isso, a Brasil Brokers vai te ajudar com algumas dicas sobre esse tema.

O mais importante é não deixar a ansiedade tomar conta de você durante a compra de imóvel. Pense que aquele será um investimento a longo prazo, então, caso você acabe se precipitando no momento da compra, pode ser que os problemas caminhem ao seu lado por um bom tempo.

Atente-se à qualidade do imóvel

Quando o imóvel em questão é novo, ele possui uma maior garantia de conservação. Já um usado há muito tempo necessita de uma atenção rigorosa quanto a isso. Para ter mais segurança na escolha, leve um especialista junto de você durante a vistoria que possa analisar a situação das instalações elétricas e hidráulicas, as quais costumam dar muitos problemas. Depois da análise, tenha uma noção melhor se a compra valerá a pena ou não.

Observe bem a localização

Trace uma visão geral das redondezas do imóvel que está à venda. Repare se o entorno possui lugares do seu interesse e que supram a maioria das suas necessidades diárias. Bons exemplos são mercados, farmácias e pontos estratégicos de transportes públicos. Quanto menos você precisar se afastar do imóvel para chegar a um destino importante, melhor.

Pense em relação ao tamanho

Antes de fazer a compra, pense se aquele tamanho do imóvel realmente irá satisfazer as suas necessidades. Alguns critérios são importantes nesse quesito: a quantidade de filhos, o gosto do proprietário, a distribuição de cômodos internos, entre outros. Avalie bem de quanto espaço você e a sua família irão precisar.

Certifique-se sobre a segurança do lugar

É muito importante ter certeza sobre a segurança não só do imóvel, mas também do bairro em que ele está localizado. Esse quesito é um dos mais valorizados entre as famílias. Nada melhor que morar em uma região em que você possa andar tranquilamente na rua a qualquer hora do dia. Por isso, tenha a garantia de que a região é bem sossegada para morar.

Coloque o custo no papel

Essa talvez seja a parte mais chata de fazer, mas é necessária. Tenha conhecimento de todos os valores que precisarão ser quitados por você, como é o caso de condomínio, IPTU e as famosas contas de água e luz.

Em caso de financiamento, fique atento

Muito acabam optando por financiar o imóvel, pois, assim, o pagamento fica um pouco mais leve. Mas fique sempre atento aos valores das parcelas. Tenha a certeza de quanto será o pagamento por parcela para não se perder e receber punições. Reserve uma quantidade padrão do seu orçamento por mês para garantir o pagamento até o final.

Realizar uma compra de imóvel tendo essas questões bem claras em sua cabeça fica bem mais fácil. Essa aquisição deve trazer apenas bons momentos e lembranças marcantes, e não dores de cabeça incuráveis. Atente-se a esses pontos que a Brasil Brokers separou para você e faça o seu melhor negócio.

Postado por <brasilbrokers>
05 abr

A declaração do Imposto de Renda é realizada todos os anos. No entanto, é muito comum surgirem algumas dúvidas durante o processo. E uma das principais questões é como declarar imóvel no Imposto de Renda. Para saber, confira as dicas do blog da Brasil Brokers!

como declarar imóveis no imposto de renda

Quem deve declarar imóvel no Imposto de Renda

A primeira coisa que é necessário saber é que quem possui imóveis com valor superior a R$ 300 mil é obrigado a apresentar a declaração mesmo que esteja liberado por outros critérios.

Como declarar imóvel no Imposto de Renda

Basicamente, tanto os imóveis quanto os automóveis devem ser declarados na ficha de “Bens e Direitos”. É necessário, no entanto, ficar atento ao código específico de cada bem. Casas, por exemplo, devem ser declaradas na linha 12 do documento, já apartamentos devem estar presentes na linha 11, enquanto terrenos serão mencionados na linha 13.

Para evitar qualquer problema, a dica é colocar no campo de discriminação informações detalhadas de seu imóvel, como o endereço, o código da matrícula, a data da compra, o modo de pagamento – isto é, se foi parcelado ou pago à vista – e até mesmo o valor do IPTU. Vale lembrar também que, caso tenha realizado uma permuta imobiliária, essa informação deve constar no arquivo.

Todos os valores pagos no ano a ser declarado devem ser mencionados separadamente. Quem investiu em um imóvel em construção, por exemplo, deu uma entrada à incorporadora e, em seguida, começou a pagar o parcelamento a uma financiadora precisa informar esses valores separadamente.

Qual valor do imóvel colocar no Imposto de Renda?

É normal a valorização do imóvel ao longo do tempo. Porém, para a Receita Federal, o valor a ser declarado é sempre aquele pelo qual o imóvel foi adquirido. Esse valor não pode ser atualizado. Por isso, não é permitido fazer uma correção monetária, que, basicamente, é o ajuste contábil do valor em relação a outras moedas.

Imóvel Financiado

Quem comprou um imóvel financiado precisa informar o valor total pago desde a data da compra do bem até o último dia do ano, incluindo os juros. Anualmente, esse valor vai aumentando até o momento em que o contribuinte quitar a compra.

Imóvel comprado à vista

Para quem optou pela aquisição à vista, é necessário incluir o valor total do imóvel no campo “situação em 31/12/2017” (nesse caso, o campo “situação em 31/12/2016” deve ser preenchido com zero).

Onde declarar a venda de imóvel no Imposto de Renda

Quem realizou a venda do imóvel deve ter em mãos os documentos que comprovam essa operação, como a escritura de venda e os comprovantes de recebimentos. É necessário, também, acessar o site da Receita Federal e baixar o programa GCAP – Ganho de Capital, que deve ser preenchido com bastante atenção.

Além das informações sobre tipo de imóvel, endereço e matrícula, na ficha de “Bens e Direitos”, devem constar informações como data da venda, valor do imóvel e, também, forma de recebimento. Em caso de permuta com recebimento de torna, deve-se informar a diferença recebida em dinheiro. Vale lembrar que gastos com reformas e manutenções também devem ser mencionados.

Por fim, é importante saber que a declaração conjunta de casais depende da situação de cada caso. É permitida a declaração para aqueles que são oficialmente casados ou para os que vivem em uma união estável há mais de cinco anos. Tanto os filhos quanto o cônjuge devem ser declarados no campo de “dependentes”.