Voltar para home.
Postado por <brasilbrokers>
06 maio

Sinal verde para a compra de imóveis: 5 indicativos de que a hora é agora!

Sabe aquele tipo de oportunidade que é melhor não deixar passar? Pois então, selecionamos os cinco principais indícios que informam que essa é a sua oportunidade para adquirir um imóvel com as melhores condições de mercado.

Entenda porque esse é um momento ímpar para investir em imóveis e não perca a chance. Depois não vale dizer que não avisamos, ok?

Sem mais delongas, vamos direto ao ponto: descubra os cinco sinais de que agora é o seu momento de comprar um imóvel!

Se você já tem o desejo de investir em imóveis ou se seu sonho é ter uma casa para chamar de sua, saiba que os indicativos são positivos e estão do seu lado para que faça a melhor escolha!

O setor imobiliário está vivendo um momento convidativo e especialistas apontam que a presente fase é a mais assertiva para aproveitar, na íntegra, todos as vantagens disponíveis.

Vamos te provar que, mesmo sem saber falar “economiquês”, é possível entender porque essa é a melhor fase para investir no mercado imobiliário e adquirir seu imóvel.

 

ESTABILIZAÇÃO DA TAXA SELIC

 

Você já deve ter ouvido falar da taxa SELIC, mas, será que sabe porque ela é um fator econômico tão importante? Pois bem, em termos mais teóricos, a taxa SELIC consiste na referência mínima de juros informada pelo Banco Central.

Essa taxa é determinada por um órgão governamental ligado ao Banco Central o Conselho de Política Monetária (COPOM). Aproximadamente a cada dois meses, os membros do COPOM decidem sobre o valor da taxa SELIC.

Na prática, essa taxa é utilizada como instrumento regulador de mercado pelo Banco Central. Por conta disso, é importante acompanhar a sua alta ou baixa, pois isso serve de referência para toda a economia do país.

Por ser a taxa básica utilizada como referência pelos bancos na aplicação de seus juros, a sua baixa tem influência nos valores de financiamentos realizados junto às instituições bancárias, por exemplo.

Mas, por que você, que quer comprar um imóvel, teria interesse nessa taxa?

Basicamente, com a SELIC em baixa, as condições de crédito, financiamentos e empréstimos, oferecidas pelas instituições bancárias tendem a ser, proporcionalmente, mais oportunas, haja vista tomá-la como referência.

Assim, o que te interessa é saber que, atualmente, se vive um momento histórico: em sua última reunião (março/2019), o COPOM promoveu a manutenção desse período de baixa determinando a taxa de 6,5%.

Além disso, a expectativa do mercado é a de que o órgão continue com a política de flexibilização monetária e, na próxima reunião (maio/2019), promova uma nova redução na taxa básica de juros.

Com esses valores, o mercado está se aquecendo e ganhando confiança.

MAIOR OFERTA DE EMPREGO

Não é novidade que o mercado está sempre ligado nos índices de emprego/desemprego. Esses são fatores imprescindíveis na determinação da demanda por produtos e serviços, além de informar às empresas sobre as condições que influenciarão na sua oferta.

Sabe-se que quanto maior a taxa de desemprego, maior será a queda na  demanda por bens e serviços. Isso acontece pois o consumo está diretamente relacionado com a percepção de renda: sem emprego, sem renda, sem consumo.

Como consequência do desemprego e de um estagnação econômica, também as empresas perdem seu poder de redução de preços e os consumidores dispostos a comprar são ferozmente disputados entre as concorrentes.

Assim, examinando a situação atual do nosso país percebe-se que, embora nos últimos anos as taxas de desemprego tenham alcançado níveis comprometedores, nota-se uma boa melhora desde o segundo semestre de 2018.

Conforme pesquisa realizada pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), no mês de fevereiro, em relação ao saldo referente às contratações e demissões, o ano de 2019 já teve o melhor desempenho desde 2014.

Olhando para índices gerais, segundo essa pesquisa, não só o número de contratações subiu aumentando o número de empregados , mas também o saldo total entre demissões e admissões foi muito positivo, visto que as demissões também caíram.

Qual o cenário que esses indicativos informam? Uma maior possibilidade de compra e movimentação de recursos, aquecendo a economia.

O mercado imobiliário participa deste cenário e são feitas avaliações de que, em um breve período, as investidoras compreendam a melhora na economia como fator para alterar as condições de suas ofertas até então quase que promocionais, devido à crise.

Diante disso, é bom aproveitar as boas condições ofertadas pelo mercado imobiliário, antes que a melhora na situação econômica do país altere as circunstâncias das vendas.

DIMINUIÇÃO DOS ESTOQUES DE MERCADO

Em razão dos anos de crise, o setor de construção civil sofreu grande impacto. Grandes incorporadoras deixaram de lançar novos empreendimentos e os imóveis já prontos, em razão da pouca demanda, formaram estoques.

Entretanto, graças aos esforços e condições promocionais oferecidas pelas incorporadoras e uma melhora na economia, os estoques estão diminuindo. Mas ainda há interesse de liquidá-los.

São boas as perspectivas: pesquisa realizada pela Câmara Brasileira da Indústria e Construção (CBIC), aponta que o estoque de imóveis teve uma queda de 161,8 mil unidades, em 2016, para o valor de 143,9 mil, em 2017, e para 124 mil, no ano de 2018.

Além disso, também conforme dados da CBIC, a previsão é de que o lançamento e a venda de imóveis cresça entre 10% e 15% no ano de 2019, quando em comparação ao ano passado.

Assim, a tendência é pela normalização do setor, com a maior confiança por parte das investidoras para produção de novos empreendimentos.

Mas, ainda dá para aproveitar os imóveis prontos com melhores condições antes que os preços subam na mesma proporção que a confiança das incorporadoras.

Há de se considerar uma maior confiança na concessão de crédito, o aquecimento das vendas e o ambiente economicamente saudável que aos poucos ganha mais espaço.

FIM DA RETRAÇÃO DO MERCADO

Em razão de um cenário econômico e político periclitante nos últimos anos, os investimentos em construção civil haviam diminuído e os lançamentos foram paralisados também pela alta de estoques já mencionada.

Dá para perceber como tudo se relaciona quando o assunto é economia?

Hoje, graças às pretensas reformas políticas e econômicas, o mercado imobiliário já percebe melhoras em seus números e se mantém esperançoso para os próximos trimestres.

Espera-se que, a partir do segundo semestre de 2019, as vendas de imóveis aumentem e novos empreendimentos sejam lançados. Com isso, também é esperado um aumento nos valores das unidades vendidas, em razão de melhores condições econômicas e de possibilidade de compra dos brasileiros.

Os efeitos de um longo período em retração ainda reverberam, embora exista um panorama de progresso à vista, a economia ainda depende de reformas políticas, como a da previdência, para uma melhor previsão.

ÍNDICES DE MERCADO E PALAVRA DOS ESPECIALISTAS

Em São Paulo, pesquisa realizada pela Secovi (Sindicato da Habitação – São Paulo) sobre o mercado imobiliário, aponta crescimento considerável nas vendas de imóveis, quando comparado com 2018.

Segundo essa pesquisa, no período de março de 2018 a fevereiro de 2019, foram vendidas 30.587 unidades. Tal número registra um aumento de 20,7% das vendas, em relação ao mesmo período (acumulado de 12 meses) do ano anterior, que havia totalizado a venda de 25.349 unidades.

Além disso, em âmbito nacional, a Câmara Brasileira da Indústria e Construção (CBIC), em parceria com o SENAI, apresentou os “Indicadores Imobiliários Nacionais” referente ao 4º trimestre de 2018.

Neste estudo, feito em comparação ao trimestre anterior (terceiro trimestre de 2018), verificou-se um aumento nos lançamentos de novos empreendimentos imobiliários em 45,1%, além do aumento nas vendas de imóveis em 23,3%.

Também com índices positivos, considerando o período do ano de 2018, sabe-se que as vendas de imóveis aumentaram em 19,7%, quando relacionadas ao ano anterior (2017) no montante de 120.142 de unidades vendidas.

Nossa especialista da Brasil Brokers, afirma: “O mercado imobiliário se mostra otimista em 2019. Dessa forma, vemos que agora é a última oportunidade do cliente realmente conseguir uma negociação mais favorável, visto que no segundo semestre a tendência é que o preço do metro quadrado aumente.” Alessandra Wanek, Coordenadora da Brasil Brokers RJ.

Use essa dicas a seu favor e aproveite a situação do mercado!

A economia vive seus momentos e é importante saber aproveitar a oportunidade econômica que atenda aos seus interesses.

Assim, se você quer adquirir um imóvel, preste atenção no momento atual e entenda que o mercado, conforme as expectativas de indicativos e especialistas, está prestes a mudar de panorama.

Aproveite para comprar seu imóvel enquanto o aquecimento na economia não interfere nas boas condições de preço dos imóveis de empreendimentos já lançados.

No site da Brasil Brokers, você encontra as informações necessárias para fazer a melhor escolha e adquirir o imóvel que você tanto deseja. E o melhor: aproveitando o momento oportuno e as boas condições de mercado.

Consulte nossos corretores e avalie as melhores possibilidades de compra. Escolha já o seu imóvel e conte com a Brasil Brokers para te auxiliar nesse caminho!

 

Comentário: Nenhum comentário