Escolha a Cidade:

Postado por <brasilbrokersoficial>
28 jan

Está precisando decorar um ambiente sem grandes gastos mas de forma bem criativa? Você pode começar focando no quesito iluminação e uma boa opção são as famosas luminárias japonesas de papel. De acordo com a arquiteta Lulu Andrade, além de oferecerem um bom custo-benefício, essas luminárias dão um clima especial para qualquer ambiente, podendo ser usadas tanto em residências quanto em uma loja.

A profissional utilizou recentemente essas luminárias em dois projetos. O primeiro foi para um quarto de criança cujo tema era o espaço sideral. Nele, luminárias coloridas foram afixadas no teto para se passar por planetas e dar uma ideia de profundidade em relação ao desenho feito nas paredes. No centro do cômodo, o destaque é para a luminária com a Terra desenhada.

As luminárias japonesas de papel usadas como “planetas” no quarto de criança.

No projeto para um estabelecimento comercial, a arquiteta decidiu adotar uma solução que proporcionasse baixo custo para o lojista. O desafio, no caso, foi o tamanho do espaço – grande – e o pé direito bem alto. Para que não se tornasse um objeto isolado no ambiente, a ideia foi colocar várias luminárias penduradas pelo teto e em alturas diferentes, o que fez que se tornasse um elemento de identificação da loja de roupas.

Pé direito bem alto da loja de roupas possibilitou que as luminárias fossem dispostas em diferentes alturas.

Essas luminárias podem ser encontradas facilmente no mercado. Nas grandes redes de lojas de decoração, o preço da luminária branca fica em torno de R$ 40,00. As coloridas ou com desenhos podem chegar a cerca de R$ 60,00. Já em locais como os comércios populares da Rua 25 de março, em São Paulo, e da região conhecida como Saara, no centro do Rio, os preços caem bastante.

Mas Lulu Andrade faz um alerta. “Antes de comprar verifique a qualidade do papel. Se for fino demais não leve, pois há risco de rasgar quando abrir a luminária.” A profissional informa também que o bocal da luminária costuma ser vendido separadamente.

Em Decoração
, , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
25 jan

No dia 25 de janeiro comemora-se o aniversário da cidade de São Paulo, que este ano completa 459 anos. Para celebrar a data, preparamos um texto contando rapidamente a história da maior cidade do país e selecionamos algumas obras que se tornaram pontos turísticos por conta de sua arquitetura um tanto quanto “diferenciada”.

A capital paulista foi descoberta em 1554, quando os padres Manuel da Nóbrega e José Anchieta fundaram o Colégio dos Jesuítas, com a intenção de estabelecer uma instituição para a educação indígena na região. Desde então, o Pátio do Colégio, no centro da cidade, é considerado o marco zero na fundação de São Paulo.

Pátio do Colégio / Crédito: Caio Pimenta (SP Turis)

Depois dos ciclos econômicos e a vinda de imigrantes de todos os cantos do mundo, a antiga vila cresceu e se tornou o maior centro econômico da América Latina. Com o tempo e a prosperidade, a cidade ganhou diversas obras arquitetônicas e inúmeros arranhas céus, cada um com uma história e curiosidade interessante. Listamos algumas obras que se tornaram pontos turísticos e que valem pena conferir:

 

Edifícios do Parque do Ibirapuera / Crédito: Caio Pimenta (SP Turis)

 Edifícios do Parque Ibirapuera: O parque possui três obras arquiteto Oscar Niemeyer. Auditório – projetado nos anos 1950, mas erguido apenas em 2004, o Obelisco e a Oca, projetada em 1954. As três obras são um dos principais conjuntos arquitetônicos da capital paulista.

 

Edifício Copan / Crédito: Caio Pimenta (SP Turis)

  Copan: O edifício também foi projetado por Oscar Niemeyer para as comemorações do 4º centenário da cidade de São Paulo, em 1954. A obra, porém, só foi inaugurada 12 anos mais tarde, em 1966. O edifício (feito com a maior estrutura de concreto armado do país), ficou famoso pelo seu formato ondulado, tem 115 m de altura, 32 andares e 120 mil m² de área construída. Em seus 1.160 apartamentos vivem cerca de 5.000 pessoas.

Masp / Crédito: Caio Pimenta (SP Turis)

Masp: Considerado um dos principais museus de arte ocidental do Hemisfério Sul, o Museu de Arte de São Paulo (Masp) foi erguido na Avenida Paulista em 1968, pelo precursor da mídia Assis Chateaubriand. Projetado pela arquiteta modernista italiana Lina Bo Bardi, o edifício sede do museu tem 11 mil m² divididos em cinco pavimentos, além de exibir um amplo vão livre, que serve como espaço para feiras e exposições ao ar livre no meio da Av. Paulista.

Estação da Luz: Ocupando uma área de mais de 7.000 m² no coração de São Paulo, a Estação da Luz foi aberta ao público em março de 1901, como a principal estação ferroviária da cidade. A arquitetura do edifício, inspirada no estilo vitoriano e assinada pelo britânico Charles Henry Driver fez referência para vários monumentos como o Big Ben e a Abadia de Westminster. A fachada tem 150 m de comprimento e a famosa torre do relógio chega a 50 m de altura, sendo que grande parte de sua estrutura foi trazida da Europa e, em 1946, a estação foi parcialmente destruída por um incêndio. Após passar por inúmeras reformas, a obra foi tombada, em 1982, pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat).

Edifício Itália: O edifício Itália, no centro da capital paulista, foi projetado nos anos 1960 pelo arquiteto Adolf Franz Heep e tem 165 m de altura. Com 46 andares, 19 elevadores, 6.000 m² de vidro e capacidade para 10 mil pessoas, o prédio abriga o Circolo Italiano (uma das mais tradicionais sedes da comunidade italiana em São Paulo), além de um restaurante no terraço do prédio famoso pela comida Italiana refinada.

Teatro Municipal de São Paulo: Projetado por Ramos de Azevedo, Cláudio Rossi e Domiziano Rossi, o Theatro Municipal de São Paulo foi inaugurado em 12 de setembro de 1911. A arquitetura do edifício foi influenciada pela Ópera de Paris e sua fachada exibe traços renascentistas barrocos do século 17. Em seu interior, o visitante pode admirar uma enorme coleção de obras de arte: bustos, bronzes, medalhões, paredes decoradas, cristais, colunas neoclássicas, vitrais, mosaicos e mármores. O espaço foi restaurado em 2011 (ano de seu centenário).

Em DIversos
, ,
Postado por <marketing>
24 jan

Os giardinos, apartamentos que se assemelham com uma casa e ficam no térreo dos prédios, voltaram a fazer parte dos projetos de empreendimentos imobiliários. Esses imóveis ganharam nova versão e, em muitos casos, passaram a contar com um jardim interno. Charmosos, eles se tornaram uma opção para quem ainda não pode comprar uma casa.

Perspectiva do giardino do empreendimento Private Aqua & Gourmet Residences, da Leduca, no Rio de Janeiro.

 Normalmente a manutenção de um giardino é mais simples do que a de uma casa. Na maioria dos casos, esses condomínios possuem serviços de segurança 24 horas por dia e áreas de lazer. Por conta desses diferenciais, a procura por esse tipo de imóvel vem aumentando, e as construtoras investem em projetos que incluem o modelo. Atualmente no Rio de Janeiro, por exemplo, é possível encontrar opções até em empreendimentos destinados a famílias de baixa renda.

Perspectiva do giardino do empreendimento Jardim Europa, da João Fortes Engenharia, no Rio de Janeiro.

“O que era uma tendência no passado, os lançamentos com esse perfil cresceram muito nos últimos dois anos na cidade do Rio. As construtoras estão incrementando esse tipo de apartamento com piscina e churrasqueira, fazendo com que se torne uma alternativa para quem ainda não pode adquirir uma casa.”, comenta Mario Amorim, diretor da Brasil Brokers no Rio de Janeiro.

Perspectiva do giardino do empreendimento Yard Comfort Residence, da Brookfield, em Curitiba.

O executivo explica também que são empreendimentos com poucos andares, o que garantem uma certa privacidade para o proprietário. “Os giardinos possibilitam às construtoras que aproveitem ao máximo o terreno”, conclui Amorim.

Em Mercado Imobiliário
,
Postado por <marketing>
21 jan

Por ser um lugar tão especial, o quarto texto da série “Ano Novo, Casa Nova” é todo dedicado à cozinha. Delicie-se com as tendências para 2013.

Ela reina absoluta como o lugar para receber com aconchego! E não poderia ser diferente, já que estamos falando de um dos espaços mais mágicos da casa, aquele em que a alquimia se faz viva.

 

Sendo assim, charme e elegância não podem ficar de fora, afinal receber os amigos com requinte é o desejo de todo anfitrião.

 

As cozinhas com ar retrô estão super na moda novamente. Elas chegaram remodeladas, com inspiração nas cozinhas de fazenda, mas compostas com elementos e eletrodomésticos ultramodernos que contradizem propositalmente esta “cara” antiga. 

 

O retrô com o contemporâneo remete às cozinhas remodeladas das antigas construções londrinas. É uma mistura interessante e tudo indica que tenha vindo para ficar. A arquiteta Myrella Castilho aposta na mistura, “o resultado é agradabilíssimo e não compromete o estilo adotado no restante da casa: seja clássico ou moderno”.

 

Abuse dos ladrilhos hidráulicos, eletros com tecnologia – que todos adoram – e armários com ar retrô. Aposte em cores vivas em algumas peças de destaque, que podem ser o aparador ou a mesa.

 

Embora os mais “modernos” entortem o nariz para o uso de coisas que remetam ao clássico, Myrella deixa a dica: “Nada mais moderno do que saber utilizar essa mistura!”.

 

Myrella Castilho é formada pela universidade de Marília em arquitetura e urbanismo. No começo da carreira a profissional, estagiou com renomados arquitetos no interior de São Paulo e em 2007 abriu seu próprio escritório na cidade de Uberaba – MG, onde atuou em projetos residenciais e comerciais.

Em 2010 mudou-se para São Paulo onde desenvolveu projetos em parceria com o também arquiteto Toninho Noronha. Em seguida reabriu seu escritório e hoje atua com projetos de arquitetura, interiores e tem em sua carteira de clientes as lojas Florense de móveis e o Teatro Bradesco.

Em Decoração
, , ,
Postado por <marketing>
17 jan

A terceira matéria da série “Ano novo, casa nova”, com tendências para 2013, fala sobre a sala de jantar, local onde a família se reúne para compartilhar as experiências do dia, conversar sobre as expectativas pessoais e profissionais, trocar opiniões e ideias. Especialistas acreditam que, por ser um espaço com trocas familiares tão intensas, o ideal é que tenha poucos objetos e que eles estejam em harmonia com a personalidade da família.

No projeto abaixo, a arquiteta Deborah Roig valorizou elementos diferenciados. Usou poltronas Sérgio Rodrigues vintage revestidas com tecido laranja.

As paredes ficaram leves. Foram revestidas com papel de parede de pedrisco, imitação daquelas paredes feitas de pedras pequenas, e ganharam uma linda foto do Mário Cravo Neto. Detalhe especial para a iluminação lateral que valorizou o ambiente.

Já neste projeto, a arquiteta foi desafiada pelos clientes: “poucos gastos!”, pediram. A solução encontrada por Deborah foi garimpar alguns móveis fora de uso, mas guardados na fazenda da família. Aqui ela utilizou poltronas barrocas, mesa redonda e lustre Baccarat.

O trabalho resultou numa bela sala de estar que se integra muito bem com a de jantar. Para completar, uma bela composição assimétrica de quadros que eram importantes para a família como o do amigo e artista plástico Flávio de Carvalho, o que contrastou com as cadeiras e com peças modernas.

Neste projeto a iluminação foi um ponto bem trabalhado – a arquiteta utilizou o lustre Baccarat que conferiu destaque ao ambiente. A parede na cor púrpura deu o colorido ao espaço junto à mesa redonda com cadeiras giratórias brancas e pretas.

 

Interpretar desejos e aplicar a versatilidade para conciliar estilos e mixar elementos. Assim é o trabalho da arquiteta Deborah Roig, que tem em seu gene a sensibilidade do bom design e uma forte influência no mundo da moda em seus projetos. Paulista de origem catalã, a arquiteta iniciou sua carreira em 1992 em um grande escritório de arquitetura e decoração em São Paulo. Trocou o emprego por novas descobertas na Europa, onde estudou Lighting Design e Antiquariato na Sotheby’s, Christie’s e Victoria & Albert Museum. De volta a São Paulo, abriu seu escritório, atuando fortemente no mercado residencial e corporativo.  Já executou mais de 300 projetos e participou das principais mostras do setor como a Casa Cor São Paulo. Sua compreensão de lifestyle tem se destacado no mercado com grandes projetos de arquitetura e decoração em condomínios fechados, principalmente com casas de campo. Para saber um pouco mais do trabalho de Débora acesse o site www.deborahroig.com.br

 

 

Em Decoração
, , , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
08 jan

A segunda matéria sobre tendências para 2013 fala sobre banheiros. O espaço pode não ser o primeiro local em que pensamos ao decorar uma casa, mas há quem não o esqueça e o considere até uma extensão do dormitório, transformando os banheiros em verdadeiras “salas de banho”.

E foi literalmente o que a arquiteta Silmara Salvetti fez neste projeto. Com uma janela enorme, deixou à mostra o jardim externo da casa, trazendo para o espaço mais claridade e tranquilidade, aproximando o ambiente da natureza.

Foto: Divulgação

 

Foto: Divulgação

Os tons preferidos para o banheiro ainda são os claros e neutros, mas um pouco de cor pode ser utilizado no frontão, revestimento diferenciado utilizado na parede – na altura do espelho -, na pia ou mesmo numa faixa no piso.

Foto: Divulgação

Com o banheiro aparente no quarto, é importante ter cuidado na escolha dos acabamentos. O box, com puxadores e trilho em aço inox com roldanas aparentes deixa o espaço clean. Espelhos com bizoteés – acabamentos arredondados nas beiradas -, armários ou carrinhos, que podem ser em madeira aparente tingida ou não, com aplicação de verniz náutico são suficientes para dar um toque de elegância.

Foto: Divulgação

E para finalizar, tenha sempre um vasinho com flores da estação. Elas revitalizam as energias. Toalhas enroladas, cachepôs, caixinhas… Tudo para complementar a decoração e deixar o ambiente charmoso!

Foto: Divulgação

Silmara Salvetti

 

Silmara Salvetti graduou-se em Arquitetura na Faculdade de Belas Artes, em São Paulo, com cursos de especialização da Universidade de Laramie – WY – EUA, e há dezessete anos desenvolvendo conceituados projetos nas áreas residenciais e comerciais. Silmara busca adequar as necessidades e os desejos dos clientes com materiais que traduzam aconchego, praticidade e beleza, onde combinados com os mobiliários, revestimentos e iluminação completam com sucesso a singularidade de cada projeto.

Em Decoração
, , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
03 jan

Se o seu “grito de guerra” para essa época do ano é esse, saiba que você está em boa companhia. Nesse verão, três em cada quatro pessoas têm como destino uma das praias do extenso litoral brasileiro, de acordo com pesquisa realizada pelo Mercado Livre Classificados e OH! Panel.

Sendo assim, que tal deixar a casa da praia mais arejada, confortável e aconchegante? E tudo isso sem precisar dispor de um orçamento alto. Com pequenas mudanças você pode dar uma cara nova à varanda, à sala, ao quarto, à cozinha e ao banheiro. Até os eletrodomésticos entram na brincadeira, afirma a arquiteta Gleizer Rocha. Veja abaixo as dicas da arquiteta para sacudir a decoração da casa de veraneio:

Como toda casa fechada, o mofo pode ser o grande vilão. Procure deixar a casa bem aberta para aumentar a circulação de ar e entrada de luz solar. Pedras de calcário, dentro de vasilhas plásticas e embaladas com tecido fino, como o voil, ajudam a combater a umidade e evitam as traças. As folhas de louro frescas, espalhadas nos móveis, também combatem as traças. Para o odor, existem florais e plantas naturais que fazem esse papel.

As paredes estão com a pintura desgastada? Tinta nelas, que renova e ajuda a dar cara nova a casa. O teto deve sempre ser branco. Nas paredes, opte pelas cores claras, que transmitem leveza. Se desejar algo mais quente e vibrante, escolha apenas um dos ambientes para essas cores.

Se tiver varanda, aproveite o frescor do espaço para estimular a permanência das pessoas no ambiente e evitar que levem areia e água para dentro de casa. Use bancos, redes, espreguiçadeiras e cadeiras, sempre com tecidos coloridos e impermeáveis, para facilitar a limpeza.


Na sala, a decoração pode ser temática. Objetos praianos são fáceis de serem encontrados e você não precisa ficar com medo de errar. Uma sugestão é o estilo náutico. Para compor o ambiente, use uma capa de sofá listrada ou azul marinho e almofadas listradas. Nas paredes, quadros coloridos e peças da localidade com motivos de peixes e animais marinhos dão o tom. Utilize objetos de madeira ou bambu – são baratos e humanizam o ambiente, com a presença da natureza.

Ordene a mobília de forma simples, pois o segredo de se ter um lugar aconchegante é saber dispor os móveis e objetos. Casa de praia pede um ambiente mais solto, leve e arejado. Dê preferência aos materiais naturais. Tapetes não devem ser usados, pois acumulam areia e o que menos se deseja fazer nas férias é arrumar a casa, certo? As cortinas devem ser de tecido leve, que permitem a passagem da luz. A dica é usar os modelos feitos com esteira de praia.

Para os quartos, se for uma casa que recebe muitas pessoas, monte bicamas. Elas ajudam a ganhar espaço, assim como o uso de prateleiras ou aparadores, para colocar os objetos soltos e até mesmo as roupas. Essas são boas maneiras de manter os quartos organizados.

A cozinha e os banheiros merecem um toque especial. Nas lojas especializadas você encontra adesivos que imitam vidros serigrafados e desenhos ornamentais, que enfeitam as paredes dos cômodos. Eles podem ser aplicados nas portas dos guarda-roupas, nas paredes e nos eletrodomésticos, como a geladeira, por exemplo.

Este é o lugar onde você busca e preza pelo descanso e diversão para as crianças. Use a criatividade e crie um cenário sereno, de acordo com a personalidade da sua família. Na casa de praia é permitido tudo! Boas férias!

 

 

*Gleizer Rocha, formada em 1990 em arquitetura e urbanismo pela faculdade Silvo Souza. Desde então atua como arquiteta autônoma.

 

Em Dicas para o Lar
, ,