Escolha a Cidade:

Postado por <marketing>
24 mar

Animais de estimação já fazem parte da família na maioria das casas. Cuidar de um pet é ótimo para a convivência social, principalmente para crianças, que, além de fortalecerem o sistema imunológico, desenvolvem responsabilidade e afetividade. No entanto, é importante saber que adotar um bichinho significa mudar a rotina da casa, pois o pet é mais um morador e tem suas necessidades e seu espaço. Para garantir a satisfação de moradores e pet, deve-se escolher um animal adequado ao espaço e à rotina da casa, além de acabamentos práticos e duráveis na decoração.

Tecidos mais resistentes

Verdadeiros parques de diversão para os gatos, estofados e cortinas podem durar mais se tiverem tramas fechadas, como a camurça, a lona e o algodão. O uso de capas também é interessante. Nesse caso, é fundamental que o tecido seja resistente às constantes lavagens

Pisos que não escorregam

Chão muito liso, tapetes soltos pela casa e escadas em caracol são um desafio para os cães. A tendência é que desenvolvam problemas nas articulações. Por serem térmicos, mais resistentes a riscos e laváveis, os revestimentos vinílicos são uma boa opção, mas não uma garantia. Qualquer piso deve ser limpo imediatamente caso o animal erre o lugar de fazer as necessidades.

Brincadeiras ao ar livre

Se você tem um jardim, faça dele um espaço de diversão também para o pet. O ideal é dividi-lo em duas partes: uma sua, com as plantas mais delicadas, e outra de domínio exclusivo do bicho. Para isolar seu espaço, use plantas de caule e folhas grosseiras, como a agave e a fênix. Gatos gostam de ervas aromáticas e palatáveis. Já os cães podem se deliciar com frutíferas. Seu amigo cão também pode aproveitar a piscina

Espécies proibidas

Plantas leitosas (antúrio, copo-de-leite, bico-de-papagaio, comigo-ninguém-pode)

Espécias permitidas

Para agradar aos gatos, escolha lavanda, menta, cidreira, erva-doce, tomilho, manjericão e hortelã. Para os cães, amora, goiaba e pitanga. Citronelas são um repelente natural contra pragas.

Dicas para escolher e educar seu pet

– Avalie se o tamanho e o nível de atividade do pet combinam com seu estilo de vida. “Para escolher o bicho certo, busque informações com um veterinário de confiança, de preferência um que não venda os bichos”, diz o veterinário e consultor de comportamento animal Daniel Svevo Costa.

– “Felinos gostam de lugares altos e é bom prevenir acidentes usando telas”, diz a veterinária Mitika K. Hagiwara, que completa, alertando que o ideal é dar banhos semanais em cães: “Banhos em excesso tiram a proteção natural da pele”.

– “Evite prender o cão na varanda, mesmo que espaçosa. Ele vê e ouve os ruídos da rua e da casa, mas não pode interagir e isso cria a frustração”, diz Rubia, que chama a atenção para a necessidade de haver um espaço na casa apenas para o bicho.

– “É sempre bom buscar conhecimento para educar seu pet, mas existem animais que dão mais trabalho e, quando as atitudes não surtirem efeito, deve-se buscar a ajuda profissional. Isso pode ser feito a qualquer tempo”, explica Daniel.

Higiene e saúde

O espaço do pet exige limpeza diária. Para evitar poeira e pelos, varra com um pano úmido na vassoura. Se houver carpete ou tapete, use aspirador. Comece pelo ambiente menos sujo, do canto para a porta de saída. Já para eliminar urina e fezes em carpetes, o movimento deve ser de fora para dentro (para não espalhar bactérias) com esponja. Evite sabão em pó, alvejantes e cloro e prefira detergentes neutros e desinfetantes não alcalinos. Se o pet tiver alergias, passe um pano úmido após a aplicação dos produtos ou uma mistura de água, vinagre e álcool.

 

Fonte: Casa Claudia
Postado por <marketing>
20 mar

Para fazer um bom negócio na hora de vender ou alugar seu imóvel, é importante ressaltar o que ele tem de melhor e prestar atenção nos detalhes: Eles podem fazer a diferença na hora da venda.

Separamos algumas dicas para ajudar seu imóvel a ser bem apresentado e, consequentemente, vender/alugar mais rápido. Confira:

 

Organização

Parece bem básico, mas muitas pessoas ainda pecam nesse quesito. Remova todos os objetos desnecessários dos móveis, isso ajuda o comprador a imaginar suas próprias coisas no ambiente. Rearrume ou remova alguns móveis da casa (cômodos com menos móveis parecem ser maiores); Na cozinha remova os ímãs de geladeira, lixeira de pia ou qualquer objeto em cima dela. As camas devem estar arrumadas e com lençóis esticados; No banheiro tire escovas e pasta de dentes da bancada da pia.

 

Limpeza

Cheiros desagradáveis, como cheiro de cigarro e de animais ficam impregnados no ambiente. Existem excelentes produtos no mercado para eliminar odores; Mantenha os pisos limpos.

 

Ambiente agradável

Faça o visitante ficar o mais à vontade e aconchegado possível, como se fosse o lar dele. Se estiver calor lá fora, ligue o ar condicionado; Acenda as luzes dos cômodos; Coloque uma música ambiente; Abra todas as cortinas; Certifique-se que as tampas dos sanitários estejam abaixadas.

 

Pintura nova

Portas, principalmente a de entrada, se estiverem com pintura nova, passam uma boa impressão ao cliente. Afinal, a primeira impressão é a que fica; Pintar os cômodos com um tom off-white é a melhor escolha, pois mantém o ambiente neutro e aumenta a sensação de amplitude. Tons mais quentes de branco (palha) são mais convidativos do que tons mais frios (branco neve).

 

Pequenos reparos

Você quer vender/alugar seu imóvel, certo? Para isso você precisa investir – uma quantia pequena – na apresentação dele para que tudo corra como planejado. As paredes com furos e rachaduras devem ser consertadas, para rachaduras existe uma fita de fibra de vidro que pode receber argamassa e pintura; Conserte qualquer vazamento ou infiltração, afinal, essa é uma das coisas mais desagradáveis que os compradores reclamam na hora da visita.

 

Conhece mais alguma dica infalível? Compartilhe conosco!

 

(Fonte: Guilherme Machado)
Postado por <marketing>
17 mar

Casas ao redor do mundo: Suécia

O verão europeu está (quase) chegando e os suecos – não muito diferente de nós, brasileiros – começam a migrar para suas casas de verão. A temporada mais esperada do ano.

Antes de existirem viagens internacionais acessíveis e baratas, os suecos investiam na compra de terrenos para construírem as tais casas de verão. Com o espaço bastante inabitado na época, eles construíam sem muito recurso, simples moradias para acomodarem suas famílias e amigos no verão. Dando origem à imagem que temos da Suécia: casinhas de madeira pintadas de vermelho, com uma imensa paisagem rural harmonizando a relação entre humanos e animais.

A maioria das tradições foram esquecidas entre os nativos com a chegada de muitos imigrantes e a mistura de culturas, no entanto, estima-se que 20% da população sueca ainda possui uma casa de verão; existem, aproximadamente, 600.000 dessas moradias tradicionais no país, e mais de 50% da população tem acesso através de amigos ou família.

Então por quê essas moradias tradicionais atraem tanto a nova geração?

Vida simples

 “Isso me ajuda a escapar das obrigações diárias que tenho ao voltar pra casa”, diz Anna, que foi visitar a casa que seu avô construiu com vista a um lago. “Também porque você acaba tendo a sensação de que mora aqui. Se você for viajar para fora por duas semanas, por exemplo, vai ter tanta preocupação e estresse que não será necessariamente relaxante. A maioria dos suecos têm essa relação de nostalgia ao visitar uma casa de verão, lembramos de nossa infância”, completa.

Sem tédio

Para os suecos, tempo de visitar a casa de verão é ter trabalho – com as próprias mãos. “Eu arrumo as coisas, cozinho, limpo a casa, capino o mato, alimento os animais. E não é só comigo: Quando olho para os vizinhos estão todos eles fazendo o mesmo”, conta a moça. A maioria das moradias são originalmente construídas para um padrão de vida básico, sem água quente, drenagem, eletricidade, mas os tempos estão mudando.

Paz

A expansão da população urbana e crescimento exacerbado dos preços das propriedades, resultam em um desejo da população jovem em morar em áreas isoladas, majoritariamente rurais. Mesmo porque eles não têm poder aquisitivo suficiente para morar no centro de Estocolmo, onde o padrão de vida é um dos mais altos do mundo.

 

(Fonte: Sweden.se)

 

Em Casas ao redor do mundo
, , ,