Escolha a Cidade:

Postado por <brasilbrokersoficial>
03 fev

Os condomínios erguidos nas grandes cidades do país oferecem aos moradores uma ampla estrutura de lazer. Porém, tem muita gente que fica com medo de comprar um imóvel nesses empreendimentos, acreditando que a cota condominial venha a ser elevada. Especialistas do setor são categóricos em afirmar que isso é um mito.

De acordo com o diretor geral da Brasil Brokers, Mario Amorim, o condomínio-clube é vantajoso para todos os moradores, pois esses empreendimentos congregam segurança e lazer. “Esses projetos imobiliários contam com um grande número de unidades, fazendo com que a despesa seja dividida entre todos os moradores. No fim das contas, não pesa tanto no bolso”.

Perspectiva da academia do condomínio-clube Now, da Avanço Aliados, no Rio de Janeiro. A Brasil Brokers comercializa o empreendimento.

Perspectiva da academia do condomínio-clube Now, da Avanço Aliados, no Rio de Janeiro. A Brasil Brokers comercializa o empreendimento.

Outro ponto ressaltado por Amorim é que os moradores economizam com academias e clubes. “Se botar na ponta do lápis, a economia é grande. O gasto com as mensalidades desses serviços é muito maior que a utilização dos itens de lazer semelhantes existentes nos condomínios. Sem contar, por exemplo, que não precisam pegar o carro ou um transporte público para se deslocar para treinar ou se divertir”, avalia o executivo relembrando que esse tipo de imóvel tende a ter boa valorização depois de prontos.

Perspectiva da piscina do condomínio-clube Now, da Avanço Aliados, no Rio de Janeiro. A Brasil Brokers comercializa o empreendimento.

Perspectiva da piscina do condomínio-clube Now, da Avanço Aliados, no Rio de Janeiro. A Brasil Brokers comercializa o empreendimento.

Em Mercado Imobiliário
, , , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
11 ago

Ao longo dos anos, os novos empreendimentos vêm sendo lançados com uma área para apartamentos reduzida. Em contrapartida, a parte social do condomínio passou a receber mais atenção e ganhou destaque nos projetos. As preocupações com essas áreas contemplam, e muito, os filhos dos futuros condôminos, que passam a ganhar cada vez mais espaços que estimulam o convívio.

“Os adolescentes de hoje são diferentes dos de anos atrás e o mercado percebeu isso. Tanto é que as áreas de lazer são planejadas de modo que se sejam percebidas como uma extensão dos apartamentos”, conta Mario Amorim, diretor geral da Brasil Brokers Rio de Janeiro.

Perspectiva da sala de jogos do empreendimento Today, da Gafisa. As vendas são da Brasil Brokers Rio de Janeiro (RJ).

333game station_condominio Boa nova 2Uma das necessidades dos mais novos, e que as construtoras vem acrescentando aos seus projetos, é o desejo de interação. E as opções criadas são as mais diversas: quadras poliesportivas, garage band, salas de vídeos e jogos eletrônicos, academias, entre outros.

“O mercado busca sempre aperfeiçoar os espaços de lazer pensando constantemente no que pode vir a estimular os jovens a passar mais tempo fora dos seus apartamentos em atividades prazerosas e interagindo com outras pessoas no edifício.”, comenta Amorim que ressalta ainda que a adoção de internet wifi nas áreas comuns já é algo default nos empreendimentos e  que volta e meia surgem itens diferentes e bacanas como uma paredes de escalada ou um espaço destinado para se fazer slackline.

Perspectiva do espaço Game Station do empreendimento Condomínio Boa Nova, da ACS Incorporadora. As vendas são da Abyara Brokers (SP).

Para o executivo, os itens de lazer já são quesitos muito levados em conta pelos clientes na hora de fechar uma compra. Para Amorim, o mercado não limita mais o seu discurso de venda em função da localização e da tipologia do imóvel. A comodidade e o conforto que a área de lazer pode proporcionar passaram a ser um forte fator de influência.

Em Mercado Imobiliário
, , , , ,