Escolha a Cidade:

Postado por <brasilbrokersoficial>
13 maio

Não é de hoje que as mulheres estão cada vez mais independentes, ocupando cargos de chefia e assumindo o papel de chefe da casa. Essa independência já se reflete no mercado imobiliário e um exemplo disso acontece na Bahia. De acordo com dados da Caixa Econômica Federal, do montante de contratos de financiamentos firmados no estado no ano passado, quase a metade (44%) foram assinados por mulheres. No Brasil, esse total é de 39%.

De acordo com matéria do jornal A Tarde (BA) do dia 08 de março passado, esse movimento, que é sentido dentro da Brasil Brokers Brito & Amoedo, já faz com que as construtoras voltem suas atenções para o público feminino. Para Cláudio Cunha, sócio diretor da imobiliária baiana, a realidade, outrora vivida pelos homens, como chefes de família, passou por muitas mudanças no decorrer dos anos.

Crédito: © Tetra Images / Corbis

Crédito: © Tetra Images / Corbis

“Neste novo contexto, as mulheres assumiram o mercado de trabalho, progrediram em suas carreiras, se tornaram independentes e hoje possuem segurança e autonomia suficientes para grandes tomadas de decisões, como a compra de um imóvel”, conta Cunha.

Além disso, nada passa despercebido à atenção das mulheres. “Pelo fato de conhecerem detalhadamente as necessidades de todos da família, elas avaliam muito em cima de questões referentes ao conforto, lazer, praticidade, segurança e facilidade de transporte da região”, finaliza o executivo.

Em Mercado Imobiliário
,
Postado por <brasilbrokersoficial>
23 ago

As melhoras no emprego e na renda, atualmente, formam um cenário econômico bastante favorável para a realização de um dos principais sonhos do brasileiro: a compra da casa própria. Esses fatores têm contribuído para fazer com que muitas pessoas troquem o aluguel pelo imóvel próprio. Também tem ajudado a encorajar as pessoas a realizar esse sonho o fato dos juros estarem mais baixos no financiamento imobiliário e o longo prazo para quitar – que pode chegar a 35 anos.

Porém, o comprador precisa estar atento a alguns detalhes. Na hora de assinar o financiamento é necessário fazer as contas para verificar se a prestação caberá no orçamento familiar, já que a dívida será de longo prazo. Mas não precisa ficar assustado com isso, pois os bancos permitem que o mutuário faça amortizações para abater a dívida ao longo do contrato. Nesse caso, uma operação sugerida é abater o saldo devedor e manter o valor da prestação, pois assim será reduzido o tempo do financiamento. 

Uma boa dica é separar um recurso extra como 13º salário, ou qualquer outra economia, para fazer as amortizações. E a pessoa que estiver com dificuldades em bancar o valor total da prestação durante o período do financiamento pode recorrer ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para pagar até 80% da parcela da casa própria e diminuir o valor da despesa mensal. Porém, o prazo do contrato será o mesmo acordado no início. Saiba como usar o FGTS na compra do imóvel residencial.

Imagem: © Wavebreak Media LTD/Wavebreak Media Ltd./Corbis

Em Mercado Imobiliário
, , , ,