Escolha a Cidade:

Postado por <brasilbrokersoficial>
02 mar

Sabemos que a econômica não está passando por um bom momento, mas isso não deve ser motivo de desespero para quem ainda sonha em comprar a casa própria. De acordo com especialistas, 2016 é um bom ano para o comprador, já que a maioria dos imóveis estará com descontos. Além disso, foi aprovado pelo conselho curador do FGTS o aumento do teto do Minha Casa Minha Vida, no fim de 2015, passando de R$ 190 mil para R$ 225 mil. Dessa forma, grande parte da população poderá se beneficiar com mais imóveis sendo inclusos no programa.

Crédito: © Imageplus/Corbis

Crédito: © Imageplus/Corbis

Outro fator importante para ajudar o consumidor foi o incentivo do Banco Central (BC) dado aos bancos privados que passaram a financiar mais de 80% do valor do imóvel. O BC diminuiu a parcela que os bancos são obrigados a deixar parada no caixa para cumprir os requerimentos mínimos de capital nos financiamentos de maior valor.

Como a maioria das construtoras devem segurar os lançamentos previstos para 2016, as unidades já lançadas deverão ser um pouco mais disputadas. Para José Roberto Federighi, diretor-geral da Brasil Brokers em São Paulo, estamos no momento ideal para quem quer comprar um imóvel para morar ou investir. “Apesar de existirem muitas unidades já lançadas, a acomodação dos preços é passageira. A tendência é que, depois da absorção desses estoques, os novos lançamentos retomem uma trajetória ascendente de preço”, comenta.

Por isso, com a ajuda de nossos corretores, aproveite as oportunidades e escolha o imóvel certo para você.

Em Mercado Imobiliário
, , , , , , , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
12 jan

Já pensou em morar num castelo que tem pinturas de Picasso em suas paredes? Muito podem achar essa notícia surreal, mas a possibilidade é bem real. De acordo com o “Wall Street Journal”, basta o interessado ter US$ 9,6 milhões para comprar o Chateau de Castille, no sul da França.

Fachada do Chateau de Castille, no sul da França. Imóvel está à venda por US$ 9,6 milhões. Crédito: Sothebys International Realty

Fachada do Chateau de Castille, no sul da França. Imóvel está à venda por US$ 9,6 milhões. Crédito: Sothebys International Realty France

Na residência, Picasso fez alguns desenhos, que incluem nus e touradas, nas paredes de uma área coberta ao ar livre do Castelo. O governo francês considera estas pinturas patrimônio histórico, e trabalha para evitar que sejam removidas ou suas paredes demolidas.

A propriedade está localizada na cidade de Uzès, região da Provença, e o início de sua construção foi em 1300.  Porém, até 1790 o castelo ganhou ampliações. Já em 1950, ele foi adquirido pelo colecionador de arte e amigo de Picasso, Douglas Cooper.

Um dos desenhos do artista espanhol Pablo Picasso no interior do Chateau de Castille. . Crédito: Sothebys International Realty France

Um dos desenhos do artista espanhol Pablo Picasso no interior do Chateau de Castille. . Crédito: Sothebys International Realty France

Em Mercado Imobiliário
, , , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
10 nov

A economia compartilhada parece que veio para ficar. Esta tendência está ganhando espaço até mesmo dentro do mercado imobiliário na forma de serviços agregados nos novos empreendimentos. Em São Paulo, por exemplo, foi lançado em outubro o primeiro condomínio com o conceito home & share do país, que contará com carros, bicicletas comuns e elétricas para uso coletivo e espaço de coworking, além de uma unidade totalmente mobiliada à disposição para uso temporário. O morador poderá fazer uso desses benefícios por meio de um aplicativo para smartphone.

Espaço para coworking do Smart Santa Cecília, da Gafisa (São Paulo), o primeiro condomínio com o conceito home & share no país. A Abyara Brokers comercializa o empreendimento.

Espaço para coworking do Smart Santa Cecília, da Gafisa (São Paulo), o primeiro condomínio com o conceito home & share no país. A Abyara Brokers comercializa o empreendimento.

“Os moradores poderão acessar os serviços por meio de um aplicativo de smartphone. A ideia também é que eles, por meio do programa, falem entre si e possam verificar com o outro se tem interesse em dividir os custos de uma diarista, por exemplo. Ou então quem pode emprestar uma furadeira, evitando que o vizinho acabe comprando uma e passe muito tempo sem precisar usá-la. Esses empreendimentos então sendo concebidos de forma que a interatividade dos moradores e o compartilhamento econômico entre eles ajude a diminuir os custos de cada um e do condomínio”, explica Paola Alambert, diretora de Marketing da Abyara Brokers.

O setor acredita na aceitação por parte dos clientes compradores nesse formato de serviço e o resultado dessa aposta é que outros dois empreendimentos, também lançados na cidade de São Paulo recentemente, contarão com esse modelo de conceito. Ainda de acordo com o mercado imobiliário, apesar da ideia de compartilhamento originariamente possuir maior adesão em condomínios com unidades menores destinadas para os públicos de renda média alta e média, quando realizadas adaptações, é capaz de se encaixar em empreendimentos de poder aquisitivo menor.

Lavanderia do Smart Vila Madalena, também da Gafisa (São Paulo), também aposta no conceito de compartilhamento. A Abyara Brokers também participa das vendas.

Lavanderia do Smart Vila Madalena, também da Gafisa (São Paulo), também aposta no conceito de compartilhamento. A Abyara Brokers também participa das vendas.

Em Mercado Imobiliário
, , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
10 abr

Em 2013, o então prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, propôs a construção de moradias tipo estúdio como alternativa para os problemas de habitação na cidade, onde os alugueis são exorbitantes e o número de solteiros aumenta cada vez mais. Segundo dados da prefeitura, 1,8 milhão de lares nova-iorquinos são compostos por famílias de duas pessoas ou por solteiros, enquanto há apenas um milhão de apartamentos sem divisões e apartamentos de um quarto.

NY3

Naquela ocasião foi criado um projeto de design para a construção de microapartamentos e o projeto vencedor foi o “My Micro NY”, que previa unidades entre 23 e 34 m², cerca de três metros de altura e uma pequena varanda. 40% dessas unidades serão destinadas aos nova-iorquinos com renda baixa e média.

NY1

O empreendimento, elaborado pelo escritório de arquitetura nARCHITECTS, já está sendo construído e será o primeiro prédio desenvolvido com construção modular da cidade. Serão ao total 55 microapartamentos e ficará localizado em um terreno da prefeitura em Kips Bay, em Manhattan.

NY2

Em Mercado Imobiliário
, , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
31 mar

Entre os impactos negativos causados pelo mundo moderno está a emissão de carbono no meio ambiente. Porém, se o homem começou essa destruição, ele também é capaz de criar tecnologias que permitem minimizar e praticamente zerar essa agressão à natureza. Para demonstrar como é possível diminuir esses danos, uma empresa de arquitetura australiana criou a primeira casa pré-fabricada com carbono positivo. Isso quer dizer que a moradia devolve o carbono para o meio ambiente.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

De acordo com matéria publicada no site Hypeness, o modelo de teste chamado de Archi+ Carbon Positive House foi montado em uma praça pública na cidade de Melbourne, na Austrália. O projeto é tão fiel a seus princípios que a residência, com 75 m², é toda construída com materiais sustentáveis duráveis e de baixa manutenção, sendo capaz, até de gerar mais energia do que usa.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

No quesito eletricidade, a casa possui alguns recursos que colaboram bastante na economia. Entre eles, está a adoção de grandes janelas que permitem a entrada da luz do sol na maior parte do dia, além da posição das paredes ajudar numa melhor ventilação do imóvel. Uma delas, inclusive, possibilita que o morador possa cultivar uma horta vertical.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Uma solução interessante aplicada pelos criadores do projeto é a dos painéis internos, que são móveis e adaptáveis, permitindo dividir espaços e criar novos ambientes. Deste modo, o dono poderá adaptar todo o espaço interior à sua necessidade.

O interessado em adquirir o imóvel precisará desembolsar a quantia de R$ 680 mil, o equivalente a 300 mil dólares australianos.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Em Inovação
, , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
09 abr

O ano passado marcou definitivamente a volta dos apartamentos quarto e sala nos lançamentos, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro. Dados do Secovi-SP mostram que tanto os lançamentos como a comercialização deste tipo de imóvel praticamente dobraram em relação a 2012. No caso da capital paulista então as mudanças no Plano Diretor da cidade, hoje em discussão na Câmara, poderão alavancar ainda mais as unidades de um quarto.

Para este ano a tendência de lançamentos deste tipo de produto tem o viés de leve baixa se comparado ao último ano. As construtoras devem reduzir os lançamentos um dormitório após os ajustes na taxa básica de juros.

Crédito: ©Michael Interisano Design Pics / Corbis

Crédito: ©Michael Interisano Design Pics / Corbis

Já os imóveis de dois e três quartos permanecerão como as vedetes do mercado imobiliário em 2014, assim como vem acontecendo nos últimos anos. “O dois dormitórios é muito procurado por casais que planejam ter o primeiro filho ou solteiros que buscam cômodo extra. O imóvel de três dormitórios tem público similar. Comumente são casais com um filho que planejam aumentar a família ou que também procuram cômodos extras”, explica Tatiana Balan, diretora de Marketing da Brasil Brokers SP, que complementa dizendo que os dois tipos de produtos predominam tanto em regiões de perfil econômico até de alto padrão.

Em Mercado Imobiliário
, , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
10 dez

Pesquisa recente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP) indicou que as vendas de imóveis residenciais na capital totalizaram 25,6 mil unidades entre janeiro e setembro de 2013. Isso representou um crescimento de 33% se comparado ao mesmo período de 2012.

O mesmo estudo apontou que foram vendidos 95% do total de 2012 nos três primeiros trimestres de 2013 e que o Valor Geral de Vendas (VGV) dos lançamentos atingiu R$ 12,8 bilhões, 35% maior ao obtido no mesmo período do ano passado.

Outro ponto verificado na pesquisa foi que houve um aumento nos lançamentos de imóveis residenciais na cidade de São Paulo. Foram mais de 21 mil unidades entre janeiro e setembro de 2013, uma alta de 25% em comparação aos mesmos meses do ano passado.

O levantamento feito pelo Secovi-SP mostrou que os lançamentos de um dormitório quase triplicaram entre janeiro e setembro de 2013 na capital paulista, também se comparado com os mesmos meses de 2012. Estes imóveis passaram de 1.9 mil unidades, em 2012, para 5.4 mil, em 2013.

Segundo Bruno Vivanco, vice-presidente Comercial da Abyara Brokers, a maior parte destes imóveis compactos, estão em bairros centrais, nobres e regiões que concentram pólos geradores de migração temporária como centros hospitalares e universidades. “Esta é uma tendência nas grandes cidades do mundo. As pessoas abrem mão do espaço em função de uma localização privilegiada, próximo ao metrô, comércio e parques”, explica Vivanco.

Crédito: © Corbis

Em Mercado Imobiliário
, , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
29 set

O mercado imobiliário brasileiro promete um aumento sensível no número de lançamentos até o término de 2012 e o Rio de Janeiro terá neste final de semana um pequeno reflexo desse crescimento. Somente hoje, a Brasil Brokers inicia as vendas de cinco empreendimentos na região metropolitana fluminense. Ao total são 1.166 unidades lançadas totalizando um VGV de R$ 734 milhões.

Em Mercado Imobiliário
, , ,