Blog da Brasil Brokers - Tudo sobre imóveis, arquitetura e decoração

Postado por <brasilbrokers>
11 jan

Há algum tempo se fala sobre energia solar, mas ainda existem algumas dúvidas sobre o assunto. Uma delas é: “será que vale a pena?”, “realmente irei economizar?”, “ como funciona?”. Essas são algumas das questões que nos perguntamos quando o assunto é energia solar.

Para você que não conhece muito a respeito, energia solar é a eletricidade gerada a partir da luz do sol. Ela é uma energia limpa, e totalmente renovável, ou seja, não agride o meio ambiente e a economia de luz é um ponto muito positivo, afinal, é uma forma de economia.

Por isso, separamos algumas questões úteis sobre esse sistema e quem sabe aderir em sua casa.

1-Quanto tempo o equipamento dura?

Os módulos têm vida útil estimada entre 25 e 30 anos para uma geração aceitável de energia.  Os inversores, por sua vez, têm uma vida estimada entre 12 e 15 anos, necessitando sua troca na metade do tempo de duração de um sistema.

2-Qual o valor de investimento?

Um sistema de qualidade sai a partir de R$15.000,00, aproximadamente, já com todos os custos inclusos. Nossa dica é você ficar atento na hora de contratar o serviço, é importante verificar tudo que vem incluso e analisar a empresa.

3-Como funciona a produção de energia solar?

A energia é produzida pelo contato da luz com os módulos fotovoltaicos. Ela é levada até o inversor, que transforma esta energia naquela que utilizamos em nossos eletrodomésticos, e joga na nossa rede elétrica. Por isso, estas duas partes (módulos e inversor) são o coração do sistema. Quando chega à noite, e a geração de energia é interrompida pela falta de luz solar, utilizamos estes créditos gerados durante o dia para o abatimento da energia consumida no período.

Lembre-se que além de economizar na sua conta, a maior vantagem é a ambiental. Uma energia limpa e principalmente que visa otimizar o uso de hidrelétricas, que possuem um alto custo de geração e envolvem perdas elétricas. Que tal começar novos hábitos e pensar mais no meio ambiente?

 

 

Em Dicas para o Lar
, , , ,
Postado por <brasilbrokers>
19 dez

Declarar imóvel no imposto de renda é uma das tarefas que os brasileiros têm na hora de prestar contas à Receita Federal. O problema é que muita gente ainda não sabe incluir esse tipo de bem no formulário e acaba correndo o risco de cair nas “garras do leão”. Por isso, para quem comprou imóvel esse ano não pode esquecer de fazer a declaração no próximo ano. Separamos algumas dicas para a declaração correta do seu imóvel. Confira!

Comprei um imóvel à vista. Como eu declaro?

No quadro “Bens e Direitos”, você deve incluir um item referente a este imóvel, com toda a descrição do bem adquirido, deixando o valor zerado na coluna e não deixe de informar o valor total pago pelo imóvel. Vale ressaltar que todas as informações devem ser preenchidas  e detalhadas.

 

Não terminei de pagar meu imóvel. Como faço?

Nessa hipótese de ter financiado um imóvel, você deve informar na sua declaração de renda, na opção “bens de direito’’ o novo imóvel, e atente-se para informar o total de pagamentos realizados em 2017, considerando a entrada, incluindo todas as prestações pagas do financiamento inclusive com o FGTS. Lembrando que cada declarante deve adicionar cada ano os valores pagos das suas prestações.

 

Como declarar o imóvel que comprei de outra pessoa?

É necessário em sua declaração e do terceiro informar a declaração do bem e os valores efetivamente pagos por quem adquiriu o imóvel. Ao somar a declaração de cada um deles, o total deve ser igual ao total pago pela compra do imóvel. Ou seja, cada um informa em sua declaração aquilo que efetivamente foi pago por ele em cada ano.

Meu imóvel já foi quitado. É preciso declarar?

Todo imóvel que tem valor superior a R$3000 mil é necessário ser declarado. Lembrando que se você tiver outros imóveis isso também é uma obrigatoriedade, o que vale lembrar é que não é o valor de mercado, e sim o valor efetivamente pago pelo bem.

Meu imóvel valorizou. Posso atualizar esse valor?

A valorização de mercado do imóvel não muda o valor de custo histórico do bem que deve estar na declaração. O valor do imóvel só é alterado caso sejam feitas benfeitorias.

Depois dessas dicas, vale lembrar que a declaração deve ser feita e é obrigatória, deixe tudo organizado (documentos) para que na época da declaração tudo seja feito no tempo certo, e não deixe a declaração para cima da hora, por isso, atente-se ao calendário!

Abaixo, separamos um calendário para melhor orientação.

 

Em Mercado Imobiliário
, ,
Postado por <brasilbrokers>
10 nov

De acordo com matéria recém-publicada na revista Exame, o setor já começa a dar sinais de melhoria. Tudo isso em função da economia um pouco melhor e poder de compra dos brasileiros que está um pouco mais alta. Para quem está procurando o imóvel dos sonhos essa pode ser a oportunidade de adquirir o cantinho que sempre sonhou.

Mesmo com a crise afetando alguns brasileiros, o setor imobiliário começou o primeiro semestre com uma singela melhoria, em comparação com o ano passado. Entre os sinais de melhora do mercado imobiliário, o comportamento dos preços dos imóveis vem chamando atenção dos especialistas, ela vem desacelerando, por isso, a confiança vem para uma projeção melhor no próximo ano.

A aposta, é que em 2018 seja ainda melhor para o consumidor, além de ter um volume considerável de imóveis no mercado, as taxas vão se manter, o que significa que se você economizou durante a crise, esse será o momento de adquirir ou trocar de imóvel.

Que tal investir no seu imóvel?

Para você que está pensando em adquirir seu imóvel com uma imobiliária séria e confiável, a Brasil Brokers é a sua melhor opção. Presente em todo território Nacional, contamos com uma equipe especializada de Consultores que irão te auxiliar desde encontrar um imóvel que é a sua cara até na satisfação de fechar a sua venda, com quem realmente entende do assunto.

Vá até uma loja Brasil Brokers ,e conheça as nossas oportunidades, estamos disponíveis para fecharmos negócios e realizar o seu sonho da casa própria. Mais que uma imobiliária, somos uma consultoria reconhecida por fechar ótimos negócios!

 

 

Em Mercado Imobiliário
, ,
Postado por <marketing>
27 jul

Em uma linha reta, São Caetano do Sul está a 11 quilômetros de São Paulo e Guarulhos a 15 quilômetros. Por que não ampliar o raio de pesquisa de imóveis em busca de um apartamento maior ou mais barato?
Essa pode ser uma boa dica para quem está buscando imóvel.

Vale a pena observar bairros vizinhos ao bairro principal de interesse, assim como cidades próximas conforme mostra um levantamento realizado pelo 123i junto a área de Inteligência de Mercado do Grupo Brasil Brokers.

Imagem Prefeitura SBC

Imagem Prefeitura SBC

Em média, um apartamento na Grande São Paulo custa 30% mais barato do que na capital.

Veja tabela com detalhes da pesquisa:

Fonte Inteligência de Mercado do Grupo BB

Fonte Inteligência de Mercado do Grupo BB

 

Enquanto o preço médio em São Paulo gira entorno de R$ 8.600/m², em Santo André apartamentos são lançados a R$ 6.000/m² e em São Bernardo do Campo a R$ 5.400/m², o que impacta diretamente no preço total do bem.

Custo do terreno, custo da obra, acabamento e outros temas mercadológicos, como oferta e demanda, definem os preços dos imóveis.

Pesquise antes de comprar, vender ou alugar um imóvel. Se possível, amplie seu raio de busca e compare também os preços de imóveis de todos os tipos – lançamento, pronto novo (nunca habitado) e usado.

 

 

Em Mercado Imobiliário
, , , , , , , , , , , ,
Postado por <brasilbrokersoficial>
16 mar

Muitos paulistanos já estão levando em consideração se mudar para os municípios de Osasco e Guarulhos. Os motivos são as ofertas de imóveis novos mais baratos que na capital. Além disso, se for levado em consideração o preço médio de compra de um imóvel na capital, a sua metragem quadrada é menor que a de um apartamento com o mesmo valor nos outros dois municípios.

Uma pesquisa feita pela Brasil Brokers mostra que pelo menos 35% dos compradores de imóveis nos dois municípios são paulistanos e que os preços de novos apartamentos nas duas localidades são cerca de 40% menor que o preço médio de São Paulo. Enquanto Osasco atrai compradores das zonas Oeste e Sul, Guarulhos atrai das zonas Norte e Leste.

Outro dado relevante também diz respeito ao valor dos imóveis. Se, por exemplo, adotarmos o preço médio de um apartamento de 50m² em São Paulo, de R$ 404.400,00, a área privativa adquirida pelos clientes nos dois municípios, baseada em seus valores médios de m², seria:

– São Paulo R$ 404.400,00 – apartamento de 50m²
– Osasco R$ 404.400,00 – apartamento de 70m² (39% superior a S. Paulo)
– Guarulhos R$ 404.400,00 – apartamento de 79m² (57% superior a S. Paulo)

Portanto, com o mesmo valor médio, os clientes conseguem morar em áreas privativas maiores – cerca de 39% em Osasco e 57% em Guarulhos.

Vista de Guarulhos. Crédito: © Anna Kari/In Pictures/Corbis

Vista de Guarulhos. Crédito: © Anna Kari/In Pictures/Corbis

Para Bruno Vivanco, vice-presidente Comercial da Abyara, uma das imobiliárias do Grupo Brasil Brokers em São Paulo, o maior preço dos terrenos e as restrições do Zoneamento e do Plano Diretor do município de São Paulo encarecem o imóvel. “Nesses municípios, as incorporadoras conseguem produzir empreendimentos com as mesmas características e qualidade por um valor inferior. Como consequência acabam incentivando o fluxo migratório entre São Paulo e os municípios da região metropolitana, principalmente Guarulhos, Osasco e ABC, que contam com uma boa infraestrutura de serviços e qualidade de vida atrativas”, comenta Vivanco.

Em Mercado Imobiliário
, , , , , , ,